Atracadouro

    Do blog  http://deyseribas.blogspot.com/2009/08/ainda-sobre-ser-psicologa.html




Sou um atracadouro, por onde passam os navegantes.


E um dia aquele barco chegou
Trazendo-me novidades de mercadorias
Ancorou aqui,
Encheu de fitas, alegorias e fantasias 
Ah, pequeno barco, quanta euforia, quanta esperança e agonia!
Em todo o mar eu nada mais via.


Mas o melhor de tudo 
Foi quando levantou âncora
E partiu no horizonte...
Meus olhos já não podiam vê-lo e nem desejá-lo
Foi questão de dias, foi questão de meses
Esqueci do meu tenro barquinho.


Logo, pude avistar outros barcos
No horizonte sem fim...
Antes tão limitado
Fixo no agora velho e passageiro barco.
E logo outras embarcações foram ancorando
Com infinidades de mercadorias
E meu atracadouro encheu-se novamente de alegria, 
E como é bom este movimento!






Continuo a afirmar: há dias e DIAS. Barcos que se vão, Navios que vêm. É imenso o horizonte. E imensos destinos pra se navegar por ele.


Ana Paula Duarte.

Comentários

Dey disse…
Como é interessante a possibilidade da diversidade que aponta para um horizonte cheio de novidades que nos encantam, onde podemos ver que tudo é bem maior do que imaginamos...
Embarcações que chegam e vão, trazendo e levando algo que sempre soma em nossas vidas. Um pouquinho daqui um pouquinho dali, sempre algo novo. Sim! Assim é a vida, “vivamos em novidade de vida!”
Se não fosse essa dinâmica da vida, ela a vida seria muito sem graça...
O que é levado hoje pode voltar amanhã de forma jamais imaginada... E se não voltar, tenho certeza que o espaço deixado jamais ficará vazio...
Adorei a possibilidade de vc ser este atracadouro...
Belo texto!
Anísia Neta disse…
Aníssima!!! Quanta saudade senti de ti e do teu espaço... Bom demais voltar e encontrar cada texto mais belo que o outro, cada verso mais vivo que o outro, cada palavra tão encarnada quanto tu!!

Ir e vir, chegar e partir, nascer e morrer, secar e florir... todos lados da mesma moeda: A vida!

Porto, Seguro, Firme... atracadouro.

Mar aberto, instável, inseguro... Ao vento.

Precisamos dos dois em nossas vidas. Ninguém sobrevive o tempo todo em mar aberto... e a segurança do atracadouro, também causa monotonia.

O bom é não estar só onde quer se vá...

Beleza e sabedoria... seus textos!!! Parabéns!!

Um xero gatonaaaa!!
Saudadesss!!!
Marcos Fellipe disse…
Brilhante Ana, belíssimo, reflexão para uma vida inteira, os barcos vem e vão... cada qual com seus encantos...

Os movimentos da vida...
Somos atracadouro,firmes e seguros; que recebe acolhe cuida trata, dos barcos que vem, mas que vão... somos Barquiho frágil... que procura atracadouros, as vezes vivemos tanto tempo em um desses que nos confundimos com eles, esquecemos que nascemos para velejar, barquinhos frágeis tb deixam atracadouros... Mas, tb somos vento,fortes; sempre em movimento, ninguém nos segura, ninguém consegue nos dar as mãos, mas é essa força, as vezes incomoda, mas que os barcos , qd tem seus motores quebrados pelas intemperies do mar precisam para seguir... Somos mar, mistério... Imensidão...
Belíssimo texto Ana viajei aqui... Xeroooo!! Parabens ... Sou fã disso aqui...
Sonhadora disse…
Minha querida

Um poema que FALA...que diz do que sentimos...do vazio e do cheio do nosso coração...adorei ler-te.

Beijinho com carinho
Sonhadora
Dayane Carneiro disse…
Tão lindo, Ana. Vi minha vida contada em forma de porto. Barcos que chegam e vão-se e em nós ficam sentimentos de alegrias ou tristezas. Minha aproximação fiel foi ao problemas da vida, sempre estamos enfrentado e só percebemos q somos imbatíveis qnd esses levantam ancora. ADOREI. Beijos!
Vinicius disse…
Ana, soa como música. Quanto tempo! Como você está? Eu estou bem. Ainda compondo literatura, arfando a vida de diversos aprendizados. É bom poder voltar a lê-la. Também voltei a compor no Folhas Avulsas.

Abraço.
Táxi Pluvioso disse…
Desde que o barco seja um iate de milionário todos gostam de o ter no porto :-)) boa semana
Nilson Barcelli disse…
Belo poema.
Gostei imenso do teu poema.
Parabéns pela tua criatividade poética.
Querida amiga, boa semana.
Beijos.
Daniel Savio disse…
O mundo é grande, mas principalmente, a nossa vontade de se aventurar tem de se maior ainda...

Fique com Deus, menina Ana Paula Duarte.
Um abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

O olhar de Margot sobre a vida adulta

O Profeta